Carmem Lúcia repudia suposta espionagem a Fachin e diz que isso é próprio da ditadura

Ministra Carmem LúciaA presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, reagiu duramente diante da informação de que o ministro da Corte Edson Fachin estava sendo espionado pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Por meio de nota, Cármen Lúcia considerou a ação “gravíssimo crime” e “própria das ditaduras”. Ela defendeu ainda que o caso deve ser apurado e os responsáveis, “exemplarmente processados”.

A reportagem da revista Veja afirma que a investigação da Abin já estaria em curso há alguns dias, e teria encontrado indícios de que Fachin voou no jatinho da JBS. A ideia era tentar constrager o ministro e pedir o afastamento dele do caso, anulando a delação do dono da JBS.

Temer afirmou a Cármen Lúcia que não havia mandado investigar Fachin. Mesmo diante da negativa, a ministra decidiu enviar nota de repúdio:

“É inadmissível a prática de gravíssimo crime contra o Supremo Tribunal Federal, contra a Democracia e contra as liberdades, se confirmada informação de devassa ilegal da vida de um de seus integrantes. Própria de ditaduras, como é esta prática, contrária à vida livre de toda pessoa, mais gravosa é ela se voltada contra a responsável atuação de um juiz, sendo absolutamente inaceitável numa República Democrática, pelo que tem de ser civicamente repelida, penalmente apurada e os responsáveis exemplarmente processados e condenados na forma da legislação vigente.” A ministra acrescenta que, comprovando-se o ocorrido, as consequências “jurídicas, políticas e institucionais terão a intensidade do gravame cometido”.

Da redação do BLOG do Emanoel Cordeiro/O Povo com a Notícia